Cirurgias

CIRURGIA ANTIGLAUCOMATOSA

A cirurgia do glaucoma mais utilizada é denominada Trabeculectomia e tem como objetivo a diminuição da pressão intraocular (PIO).

Também pode ser indicado outros tipos de cirurgias: esclerectomia não penetrante, tubo de drenagem (Ahmed ou Baerveldt) e alguns casos podemos indicar ciclofotocoagulação a laser. É possível também realizar cirurgias combinadas, glaucoma e catarata, para os pacientes que necessitem do procedimento conjunto.

CIRURGIAS VÍTREO RETINIANAS

Descolamento de retina, retinopatia diabética e doenças da mácula:

O tratamento do descolamento de retina tem como objetivo primário fechar as roturas retinianas. O procedimento pode ser feito a partir de várias técnicas cirúrgicas, entre elas: retinopexia pneumática, retinopexia convencional e vitrectomia via pars plana

A adesão da retina é feita com laser ou crioterapia (congelamento) e como substituto vítreo podem ser utilizados soro, gás expansivo ou óleo de silicone.

Já a vitrectomia posterior é a técnica cirúrgica utilizada para o tratamento do descolamento de retina, mas também para outras doenças como as complicações da retinopatia diabética, as doenças da mácula como buracos de mácula e membrana epirretiniana, entre outras.

Terapia farmacológia intravítrea:

O tratamento com injeções intravítrea de medicações tem é realizado no tratamento de doenças como a degeneração macular relacionada à idade (DMRI), assim como a retinopatia diabética e outras doenças da retina. As medicações mais utilizadas na atualidade são: Avastim®, Lucentis®, Triancinolona® e Eylia® .

CIRURGIA DE CORREÇÃO DO ESTRABISMO

A cirurgia aplica-se aos casos de estrabismo que não são corrigidos com óculos, ou a parte que os óculos não conseguem corrigir.

Procure sempre a orientação de um especialista.

CIRURGIA DE CATARATA

Atualmente, a técnica cirúrgica mais moderna para o tratamento da catarata utiliza a remoção do cristalino por microfragmentação e aspiração do núcleo, num processo chamado facoemulsificação, com posterior implante de uma lente intraocular.

A tecnologia das lentes intraoculares está cada vez mais avançada. Atualmente contamos com lentes que melhoram a qualidade visual (lentes esféricas ou asféricas), que corrigem astigmatismo (lentes tóricas) e lentes multifocais que diminuem a dependência de óculos para longe e perto.

Procure sempre a orientação do seu médico cirurgião, para que juntos possam discutir as melhores opções para o seu caso.

CIRURGIA DA CÓRNEA

A córnea é uma membrana que, junto com o cristalino, nos ajuda a focalizar um objeto. Assim como o cristalino, é preciso que a córnea seja transparente para que os raios de luz cheguem à retina. Quando a córnea sofre um embaçamento é preciso trocá-la por uma que seja transparente. É o que chamamos de transplante de córnea ou ceratoplastia penetrante.

Atualmente, dispomos de modalidades menos invasivas para o tratamento, como o anel intraestromal (anel de ferrara) e crosslink.

Há também uma nova técnica (DSAEK e DMEK*) que permite evitar a remoção total da córnea, trocando apenas a parte comprometida (endotélio e descemet). A principal vantagem desta técnica está no tempo de recuperação, que é muito menor comparado ao da ceratoplastia penetrante. Enquanto a certatoplastia exige algo em torno de 12 meses para a recuperação, o DSAEK/DMEK tem um período de apenas 30 dias.

*DSAEK – Descemet Stripping Automated Endothelial keratoplasty

* DMEK – Descemet Membrane Endothelial keratoplasty

Para saber mais consulte sempre o seu oftalmologista.

CIRURGIA REFRATIVA

Miopia, astigmatismo e hipermetropia

A Técnica do Lasik (Laser In-Situ Keratomileusis) tem como finalidade corrigir vícios refrativos.

  • Miopia (até 9 graus)
  • Astigmatismo (até 6 graus)
  • Hipermetropia (até 4 graus)

Hoje a técnica mais avançada disponível, inclusive no Brasil, é a cirurgia refrativa personalizada, que consiste, além da correção do grau, na avaliação das aberrações de alta ordem (imperfeições do olho que dificultam a formação de imagens nítidas, principalmente quando há pouca luz). Através do procedimento obtêm-se melhores resultados porque a técnica se baseia na impressão digital do olho do paciente.

CIRURGIA PLÁSTICA OCULAR

Blefaroplastia: Corrige os excessos de pele, como a presença de bolsas (gordura que deixa os olhos inchados) e a flacidez muscular na região das pálpebras.

O procedimento resulta no embelezamento e rejuvenescimento do semblante do paciente, mantendo a integridade funcional das pálpebras.

Entrópio: inversão da margem palpebral para dentro do olho permitindo, que os cílios das pálpebras entrem em contato com a córnea e a conjuntiva.

Ectrópio: enrolamento das pálpebras para fora ocasionando a exposição da conjuntiva palpebral ao meio ambiente

Ptose palpebral: também conhecida como pálpebra caída, é quando a pálpebra superior cobre o olho mais do que o normal. Na maioria das vezes, quando o tratamento é necessário, se dá de forma cirúrgica. A cirurgia palpebral nos adultos é realizada sob infiltração anestésica local.

Pterígio: é um tecido carnoso que cresce sobre a córnea. Esta lesão pode manter-se pequena ou crescer até interferir na visão. O pterígio se localiza com maior frequência sobre o ângulo nasal do olho, porém pode aparecer no ângulo externo.

Calázio: é uma tumefação da pálpebra causada pela inflamação de uma das glândulas que produzem material sebáceo (glândulas de Meibomius) localizadas nas pálpebras superior e inferior.

VIAS LACRIMAIS

Sondagem das vias lacrimais: cirurgia para desobstrução dos canais lacrimais.